Em alusão ao Dia Mundial do Turismo e Dia Nacional do Deficiente Auditivo , o Ministério do Turismo convidou três turistas com deficiência para descobrir quatro destinos nacionais: Bonito (MS), Socorro (SP), Porto de Galinhas (PE) e Rio de Janeiro (RJ). Sabrina Marques de Brasília (DF), 17 anos, deficiente auditiva, foi uma das escolhidas. Ela conheceu diversos atrativos da cidade de Bonito.
 
Ao longo desta semana, o perfil do ministério no Facebook (@ministeriodoturismo) apresentará um pouco dessas viagens. Nesta terça-feira (27), Dia Mundial do Turismo, o vídeo completo da ação estará disponível nas redes sociais da Pasta.
 
Confira a primeira matéria sobre a visita de Sabrina a Bonito, destino que investe no Turismo acessível e já conta com rampas, guias treinados e atrativos para pessoas com vários tipos de deficiências.
 
No Dia Nacional do Deficiente Auditivo, Turismo apresenta mais um destino incrível para todos
 
A cidade de Bonito, no estado do Mato Grosso do Sul, é um dos principais roteiros de ecoturismo no país. Localizado a cerca de 300 quilômetros da capital Campo Grande, o destino tem se qualificado para atender os turistas com deficiências. A Agência de Notícias do Turismo (ANT) selecionou alguns atrativos acessíveis desse lindo destino para marcar o Dia Nacional do Deficiente Auditivo, celebrado nesta segunda-feira (26). Os roteiros foram testados pela equipe da ANT, que viajou para Bonito na última semana, acompanhados de Sabrina Marques, 17 anos, estudante do ensino médio, que tem deficiência auditiva, para uma ação especial em homenagem ao Dia Mundial do Turismo. A seguir, algumas dicas aprovadas por Sabrina:
 
Ao chegar à cidade, os visitantes com mobilidade reduzida contam com calçadas largas e rampas de acesso que proporcionam mais autonomia para o passeio no centro da cidade. Outro atrativo que não pode ficar de fora do roteiro é o Balneário Municipal. As águas cristalinas do Rio Formoso estão repletas de peixes e os visitantes com deficiências podem aproveitar para nadar, praticar esportes ou mesmo descansar nas redes espalhadas pelo balneário.
 
A flutuação no Rio Sucuri, a 18 km da cidade, também pode ser feita por pessoas com deficiência. Antes de iniciar o passeio, os turistas vestem roupas e botas de neoprene, colete salva-vidas, máscara e respirador. Os guias estão capacitados e treinados para receber todos os tipos de turistas.
 
No local há uma trilha acessível para cadeiras de roda onde é possível caminhar pela mata que conduz à nascente do Rio Olho D´Água, em meio a uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN). Nesse trajeto, o visitante pode experimentar sensações como descobrir que o tronco do Ipê Amarelo, quando na mata, é macio e esponjoso, ou ouvir e avistar pequenos macacos e ainda descobrir uma figueira com a idade estimada em mais de duzentos anos.
 
Nos últimos anos, Bonito tem unido esforços da iniciativa pública e privada e investido no segmento de turismo acessível. “A cidade, conhecida por suas belezas naturais, tem buscado capacitar a mão de obra local para que todos possam aprender a receber bem. Queremos que o turismo seja acessível a todas as pessoas, tenha alguma limitação ou não”, disse Rogério Alves, Diretor de Turismo de Bonito.
 
 

Fonte: Mtur


Deixe seu comentário