Dizem que quando um pai morre, o filho sente sua própria mortalidade, mas quando um filho morre é a imortalidade que os pais perdem.
 
 
Janete Correa, mesmo a após a morte de sua filha, conseguiu resgatar a sua imortalidade, e de outras famílias também. Em 2011, Geovana (in memoriam), na época com 12 anos, foi diagnosticada com leucemia, e mesmo com tratamento, não houve tempo o suficiente para que fosse feito o transplante que poderia salvar a vida da menina.
 
 
Durante os meses que Geovana esteve em tratamento, Janete conheceu outras famílias que viviam a mesma realidade, e daí surgiu o desejo de dar um pouco de esperança para essas pessoas.
 
 
Somente cinco anos após a morte da filha, e ainda um pouco fragilizada, Janete conseguiu dar asas ao desejo que estava a muito tempo adormecido. No Sábado (6), os Amigo de Geovana se reuniram no Central Laboratórios e juntos conseguiram 187 cadastros para possíveis doadores de medula óssea. Um sopro de esperança de 187 pessoas dispostas a doar um pouco de vida a quem necessita. A ação durou das 8h até as 16h e conseguiu cumprir com o seu objetivo.
 

Fonte: da Redação


Deixe seu comentário