Apesar de quedas nas cotações ainda ocorrerem pontualmente, o cenário mais comum tem sido o de estabilidade a leve alta nas referências.

O período é de transição, proporcionada pela crescente disponibilidade de chuvas e umidade no solo, fato que estimula recuperação da pastagem e o aquecimento das negociações.

As cotações tiveram significativa queda nos últimos meses, principalmente para o bezerro.

No acumulado do segundo semestre, na média das categorias de machos anelorados, as quedas para o bezerro, garrote e boi magro foram de 6,3%, 6,1% e 4,1%, respectivamente.

Em curto prazo, a tendência é de recuperação nos preços da reposição, diante de um quadro de maior estímulo para a demanda.


Fonte: Scot Consultoria


Deixe seu comentário