A reestruturação do aparelhamento da segurança pública pelo Governo do Estado, acrescida de uma política de qualificação, formação e valorização dos policiais militares e civis, reduziu a criminalidade em Mato Grosso do Sul no curto espaço de um ano e oito meses. O balanço das últimas operações demonstra a eficiência policial e o comprometimento do Governo com a integridade física e patrimonial da população, que vinha cobrando do poder público  mais segurança.
 
Prioridade dentre as metas que balizam o Plano de Governo de Reinaldo Azambuja, os investimentos em segurança pública atendem a uma das demandas cruciais apontadas pelos sul-mato-grossenses. Lançado em maio deste ano pelo governador, o “MS Seguro” é considerado um dos maiores programas criados no Estado para o setor, para o qual estão sendo canalizados R$ 96 milhões para compra de armas, viaturas e adequação física das unidades policiais.
 
Ao garantir o suporte à pronta ação das polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros, com armamento moderno, logística e sistema de comunicação, a Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) vem logrando êxito no combate e prevenção à violência nos 79 municípios do Estado. No primeiro semestre de 2016, foram apreendidas 66 toneladas de drogas e 531 armas de fogo e recuperados 1.290 veículos roubados. Foram efetuadas 2.019 prisões de foragidos da justiça e outras 18.347 pessoas foram encaminhadas para as delegacias da Polícia Civil para averiguação de pequenos crimes.
 
Metas cumpridas
 
As estatísticas policiais resultantes desse controle da ordem pública apontam para a diminuição da criminalidade e redução de acidentes de trânsito com mortes. Hoje, Mato Grosso do Sul, apesar da fronteira seca com o Paraguai e Bolívia, é o terceiro Estado com menor índice de violência do Brasil, conforme aponta o Mapa da Violência 2016, divulgado recentemente. O mesmo levantamento mostra Campo Grande entre as três capitais do País com menor número de homicídios.
 
Para o governador Reinaldo Azambuja, que tem cobrado maior comprometimento da União no combate aos crimes fronteiriços, com os investimentos do Governo do Estado Mato Grosso do Sul. “Será um dos estados brasileiros mais bem estruturados na área de segurança pública”, garante. Nesse sentido, o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa, enfatiza que a boa gestão do Governo no cumprimento de suas metas tem ganhado evidência no cenário nacional. “Devido à situação de crise enfrentada pelos demais estados da Federação”, explica.
 
Exemplo é o programa “MS Mais Seguro”, onde o Estado de mais de R$ 96 milhões na reestruturação das polícias Civil e Militar, do Corpo de Bombeiros, Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), Coordenadoria Geral de Perícias (CGP) e Superintendência de Assistência Socioeducativa. Dos recursos, R$ 78,8 milhões são próprios e R$ 15,9 milhões do Governo Federal, via Ministério da Justiça e Cidadania, para a substituição e modernização do sistema de rádio e comunicação das forças de segurança.
 
Armamento
 
Os primeiros repasses do “MS Mais Seguro” foram feitos com a entrega 74 novas viaturas, sendo 60 para a Polícia Militar e 14 para o Corpo de Bombeiros. 230 novas armas também foram entregues aos policiais militares. Das viaturas recebidas pela Polícia Militar, 54 são motocicletas, 4 vans e 2 caminhões guinchos, que beneficiaram diversos municípios do Estado. Os veículos foram adquiridos com recursos das multas de trânsito aplicadas pelos municípios conveniados.
 
Entre as 230 novas armas recebidas pela Polícia Militar estão fuzis e espingardas de grosso calibre. São 4 fuzis, 80 metralhadoras automáticas, 166 espingardas e 60 carabinas semiautomáticas, que serão enviadas para os grupos especiais da PM e também para alguns municípios de Mato Grosso do Sul, especialmente aqueles localizados na linha de fronteira. O Corpo de Bombeiros recebeu 14 viaturas, sendo 8 Unidades de Resgate (UR) (6 delas ficaram em Campo Grande). e mais 6 viaturas Auto Bomba Rápidos (ABR), sendo 4 para a Capital.
 
Segundo o secretário José Carlos Barbosa, a expectativa é que ainda neste mês de outubro, seja realizada a segunda entrega de equipamentos de proteção pessoal, munições, armamentos e veículos, oriundos do programa “MS Mais Seguro”, contemplando todas as instituições da segurança pública.
 
Reformas
 
O projeto “Mãos que Constroem”, que utiliza mão de obra prisional para realizar obras de melhorias nos prédios ligados à Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública também está incluído no programa de investimentos “MS Mais Seguro”, que prevê cerca de R$ 10 milhões para reformas. O “Mãos que Constroem” possibilita a realização de mais obras com menor custo, utilizando o recurso que está disponível. “Vamos quadruplicar o número de reformas”, adiantou o secretário.
 
A reforma da 4ª Delegacia de Polícia Civil, no Bairro Moreninha II, na Capital, será a obra piloto do programa, com investimento de R$ 123,4 mil. Pelo convênio, o Estado reduz os custos da reforma em 75%. “Essa reforma é de extrema importância, pois atende os anseios dos policiais civis que há muito tempo aguardam a realização desta obra de melhorias, que proporcionará um ambiente de trabalho mais agradável, motivando cada vez mais o efetivo”, comemora a delegada da unidade, Marilda do Carmo Rodrigues.
 
O contrato de prestação de serviço, firmado por intermédio da Sejusp e o Conselho da Comunidade de Campo Grande, prevê a contratação de 10 internos dos regimes aberto e semiaberto do sistema prisional da Capital, nas especialidades de pedreiro, pintor, eletricista, encanador e ajudante geral.

Fonte: Governo do MS


Deixe seu comentário