Encontro que reuniu o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, e integrantes do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública (Consesp), na quinta-feira (6), em Gramado (RS), deu continuidade à elaboração dos três projetos conjuntos prioritários na área de segurança pública, conforme definidos na reunião de 31 de maio deste ano, em Brasília (DF).

A atuação conjunta do Ministério da Justiça e Cidadania (MJC) e das secretarias estaduais de Segurança Pública terá como foco a redução de homicídios, o combate à violência contra a mulher e a proteção às fronteiras brasileiras em relação aos crimes transnacionais (tráfico de armas e drogas).

“Não é possível conviver com mais de 50 mil homicídios por ano, com violência doméstica, que gera tantos casos de feminicídio, e com as nossas fronteiras que estão abertas”, destacou Moraes.

O ministro lembrou que o legado das Olimpíadas – principalmente o trabalho coordenado de inteligência e o monitoramento entre MJC e os Estados – será utilizado para reduzir os homicídios dolosos.

A elaboração de um plano integrado para garantir fronteiras mais seguras contará, segundo Alexandre de Moraes, com núcleos permanentes de inteligência e operações conjuntas com as secretarias de segurança, além de uma maior cooperação internacional, inclusive já tendo sido tema de reunião entre o ministro da Justiça e Cidadania e representantes de países vizinhos.

Moraes informou que no próximo mês haverá reunião com os países que compõem o Cone Sul, com a participação dos Ministérios da Defesa e Relações Exteriores, essenciais para o equacionamento do assunto. “Já iniciamos as discussões quando acompanhei o presidente Michel Temer durante visita à Argentina e ao Paraguai”, salientou.

O ministro reforçou a importância da maior aproximação com o Ministério Público e Poder Judiciário para o enfrentamento dessas questões, tendo noticiado que criou um núcleo de combate à criminalidade com a participação dos procuradores gerais de Justiça e de membros do Ministério Público Federal e Conselho Nacional do Ministério Público.

Fonte: Sejusp


Deixe seu comentário