Exames realizados no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo descartaram contaminação por Febre Amarela no morador de Blumenau (SC), que esteve em Bonito (MS) entre os dias 25 de dezembro e 3 de janeiro. Até o momento a única confirmação é de que o paciente contraiu leptospirose, causada por uma bactéria presente na urina de ratos e outros animais e transmitida ao homem principalmente nas enchentes. O resultado do exame foi divulgado pela Secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (10).
 
As primeiras informações notificando um possível caso da doença na cidade, conhecida mundialmente por suas belezas naturais, causaram alvoroço entre os visitantes e impactaram diretamente no turismo. O prefeito Odilson Soares se pronunciou oficialmente para acalmar os ânimos, afirmando que não havia registros da doença até o momento.
 
“Nós estamos desenvolvendo o trabalho da municipalidade, principalmente na Secretaria de Saúde e eu acredito que não foi aqui que ele adquiriu. Pode ter certeza, porque até agora, não foi apresentado nenhum surto aqui em Bonito e nenhum caso até o presente momento”, declarou.
 
Os exames do catarinense também indicam que há não presença do vírus da dengue no organismo do turista. A Secretaria ainda informou que todos os testes foram realizados fora de MS, uma que vez o paciente começou a apresentar os primeiro sintomas no dia 15 de janeiro, já em Blumenau. É importante destacar que o catarinense não era vacinado contra a Febre Amarela.
 
Nesta quinta-feira (9) o Ministério da Saúde atualizou os registros de Febre Amarela no país e Mato Grosso do Sul não aparece na lista de casos suspeitos. Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo já confirmaram óbitos pela doença e Bahia, Rio Grande do Norte e Tocantins possuem casos em investigação.
 
Registro de casos
 
Até ontem foram confirmados 221 casos da doença. Ao todo, foram registrados 1.112 casos suspeitos, sendo que 802 permanecem em investigação e 89 foram descartados. Dos 171 óbitos notificados, 76 foram confirmados, 92 ainda são investigados e 3 foram descartados.
 
Desde o início deste ano, o Ministério da Saúde tem enviado doses extras da vacina contra a febre amarela aos estados que estão registrando casos suspeitos da doença, além de outros localizados na divisa com áreas que tenham notificado casos.
 
No total, 9,9 milhões de doses extras foram enviadas para cinco estados: Minas Gerais (4,5 milhões), Espírito Santo (2,5 milhões), São Paulo (1,2 milhão), Bahia (900 mil) e Rio de Janeiro (850 mil). O quantitativo é um adicional às doses de rotina do Calendário Nacional de Vacinação, enviadas mensalmente aos estados.
 
Para Mato Grosso do Sul foram enviadas aproximadamente 50 mil vacinas. Nos últimos anos, o Estado registrou um caso da doença em 2015, mas não teve notificações recentes.

Fonte: Governo do MS


Deixe seu comentário