Na tarde desta quinta-feira a demonstração no mínimo curiosa de inabilidade politica do deputado peemedebista, Junior Mochi, que hoje ocupa a principal cadeira da Assembleia Legislativa, a da presidência, ao antecipar em uma entrevista a imprensa detalhes sobre as possíveis alterações que podem acontecer na estrutura de duas secretarias do Estado, criou mal estar nos corredores governistas, além de colocar servidores em alerta.

Mochi afirmou que a fusão das secretarias de Habitação (com a de Infraestrutura) e de Produção e Agricultura Familiar (com a de Meio Ambiente), estariam sendo estudadas para fazer parte do projeto de reforma administrativa, projeto que o Governo do Estado deve encaminhar para votação na Assembleia nos próximos dias, e prevê a redução de gastos entre outros ajustes organizacionais.

Ocorre que as alterações comentadas por Mochi, ainda não haviam sido anunciadas oficialmente pelo Governador Reinaldo Azambuja e pegou a todos de surpresa.
Com a saia justa, restou ao Secretario de Governo e Gestão Estratégica Eduardo Correa Riedel responder a imprensa imediatamente após a entrevista do deputado, que causou transtornos e mal estar dentro das secretarias citadas.

Riedel confirmou que as alterações estão em discussão e ainda comentou que fazem parte do pacote, a demissão de comissionados e aumento de 11% para 14% na contribuição de servidores para a previdência estadual, devolução de carros alugados, revisão de incentivos fiscais a empresas e redução no número de impressoras. Isso tudo para tentar conter déficit de R$ 100 milhões mensais nas contas públicas.

 Mesmo que as declarações de Junior Mochi tenham sido validadas pelo secretario de Governo o que fica é a duvida sobre qual seria a intenção do deputado quando revelou informações fruto de comentários do Governador em conversa informal durante viagem do dia anterior. Mostrar proximidade e interação com o Governador Reinaldo? Ganhar publicidade?
Os cinco minutos de fama e capa dos principais meios de comunicação do Estado o deputado conseguiu. O que talvez ele não tenha calculado muito bem foi o tamanho do mal estar que causaria aos secretários das pastas envolvidas junto aos diretores das autarquias que são ligadas a eles, e os servidores.

Em resumo, centenas de servidores efetivos e contratados voltaram para casa hoje preocupados com o destino que vai ser dado a cada um deles, depois de terem passado a tarde toda ouvindo os ruídos resultado das declarações do deputado.

Algumas das principais perguntas que ficaram sem resposta foram: O que o deputado Junior Mochi pensou que ia capitalizar contando para a imprensa uma informação que lhe foi passada na confiança, durante conversas de bastidores com o Governador? Produção e Meio Ambiente tendo o Imasul como sua vinculada, não conflitam? Os secretários já sabiam? Como a estrutura física das secretarias será readequada? Qual o destino dos secretários de pastas fundidas?
As cenas dos próximos capítulos da novela ‘a reforma de Azambuja’ serão conferidas nos próximos dias. Nós aqui da redação vamos continuar de olho e ouvidos bem abertos.

Redação
 

Fonte: Da redação


Deixe seu comentário