O governo do estado, praticando a política de desvalorização da classe dos policiais civis, conseguiu a aprovação do PLC 21/2016 que dentre diversas medidas retirou o direito dos policiais civis de fazerem o curso de formação policial já nomeados como servidores públicos. Agora, o período do curso de formação será parte eliminatória e classificatória do concurso público. Na visão do Sinpol-MS, isso é um retrocesso. 

“Foi retirado um direito adquirido que desmotivará e prejudicará àqueles que pretendiam dedicar-se a função tão nobre, desafiadora e perigosa de policial civil”, declarou o presidente do sindicato, Giancarlo Miranda.
 
Durante a discussão do projeto, o deputado Pedro Kemp lembrou que a votação foi adiada, pois representantes da administração estadual ainda debateriam o tema com o sindicato, porém a entidade não foi recebida. “Temos muitas promessas, mas ações concretas são poucas. Esperamos que o governador honre sua palavra e cumpra seus compromissos com a categoria”, destacou Giancarlo.
 
O deputado Rinaldo Modesto, líder do governo na Casa de Leis, afiançou que o governo do estado vai cumprir o compromisso firmado e lembrou que ainda estão dentro do prazo, embora não haja nada no ‘papel’. Modesto declarou que a Agepen assumirá a custódia de presos nas cidades de Caarapó, Ivinhema e Chapadão do Sul até dezembro de 2016, seguirá paulatinamente até dezembro de 2018 completando mais 18 unidades. Também declarou que até o final deste ano, cinco cidades serão declaradas como de difícil acesso o que permitirá o pagamento de um adicional para os policiais civis lotados nestas unidades.
 
A votação do projeto aconteceu nesta terça-feira (08), na Assembleia Legislativa, com 14 votos favoráveis e 06 contrários dos deputados: Amarildo Cruz, João Grandão, Pedro Kemp, George Takimoto, Graziele Machado e Cabo Almi. O Sinpol-MS agradece o apoio de todos os deputados estaduais que posicionaram-se contrários ao projeto e que cumpriram sua promessa de lutar pela categoria.
 

Fonte: Da Redação


Deixe seu comentário