Agenor Magalhães de Oliveira, 53, responsável pela morte da esposa Maria das Dores, 50 anos, e da entendeada Dayane July da Silva, de 29 anos, no bairro Moreninha II, comenteu suicídio na tarde de domingo (16). O corpo foi encontrado na oficina mecânica, localizada na rua Ipamerim com a rua Palmacia, onde ele trabalhava há cerca de 13 anos. 
 
O garapeiro Carlos Anselmo Nunes, 60 anos, foi até a oficina mecânica procurar o dono do local por volta das 16 horas. Quando entrou no estabelecimento, encontrou o corpo de Agenor enforcado em um dos quartos. O homem acionou o corpo de bombeiros.
 
De acordo com o proprietário da oficina, José Vardo Brandão, 62 anos, Agenor era um bom funcionário e tratava bem os clientes, mas tinha problemas com a esposa. “Essa semana mesmo eu aconselhei ele a largar da mulher mas ele não me ouvia”.
 
O proprietário da mecânica disse ainda que só ficou sabendo que o empregado havia se enforcado no local após Carlos encontrar o corpo. José afirmou que não via Agenor desde ontem, e que ficou sabendo que ele era o responsável pelo crime.
 
Um grupo com  cerca de cinquenta pessoas estão aglomeradas no local acompanhando a movimentação. 
 
O crime – Agenor esfaqueou a esposa e a enteada, por volta das 19h50 de ontem,depois de uma discussão entre os três. O crime aconteceu na rua Palami, no bairro Moreninha II. Ele fugiu depois do ocorrido. 
 
Logo após o ocorrido, o Corpo de Bombeiros foi acionado para atender as duas vítimas esfaqueadas. Ao chegar ao local, pelo menos uma delas ainda estava com vida, apresentando perfurações no tórax que atingiram o pulmão. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) então teve de ser acionado.
 
O homem havia saído recentemente da cadeia e trabalhava como mecânico. Diversas buscas foram realizadas pela PM (Polícia Militar), inclusive na oficina onde trabalhava o autor do duplo homicídio, mas ele não havia sido encontrado.

Fonte: Amanda Bogo e Adriano Fernandes - Campo Grande News


Deixe seu comentário