Autores apresentados na sede do Garras.
A Polícia Civil, através da Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Resgate a Assaltos e Sequestros (Garras), desmontou quadrilha especializada no furto de agências bancárias em Campo Grande. O grupo foi apresentando nesta tarde, e era articulado por três internos da Penitenciária de Segurança Máxima da Capital. Os demais foram detidos em flagrante enquanto tentatavam furtar o Banco Itaú na Avenida Júlio de Castilhos.

Cinco pessoas foram presas, sendo quatro homens e uma mulher. São eles: Jonathan Paelo de Farias (20), Luiz Henrique Santos Velasque (18), Leandro Chiapinoto De Souza (27), Wender Daniel Cubilha Braz (20), Luciana Rodrigues Louveira (23).

Outras três pessoas foram presas e identificadas como sendo os mentores e financiadores das ações. Melrison da Silva (30), Gilbert Costa Nascimento (33) e Fabio de Jesus Barbosa Júnior (26). Eles já se encontravam detidos na Máxima, onde cumprem pena pelas mesmas modalidades de crimes.

No início deste mês essa mesma quadrilha tentou furtar uma agência do banco Santander, na avenida Eduardo Elias Zarhan. Com eles foram apreendidos diversos equipamentos utilizados nas ações.

A Investigação

Policiais da Delegacia Especializada investigavam a quadrilha desde o fato ocorrido contra o banco Santander da Avenida Zahran, e descobriram que eles tramavam uma nova ação, contudo desta vez o alvo seria a agência do Itaú.

De acordo com o delegado responsável pela investigação, Fábio Peró, as informações levantadas demonstraram que os autores agiriam durante dois dias, sendo que no primeiro dia, sexta-feira (19) passada, eles iniciariam a ação realizando a abertura da parede da agência e efetuando o desarme dos alarmes e sensores. Na data seguinte, sábado, os autores arrombariam o cofre central da agência com o uso de ferramentas de corte.

Durante as diligências os Investigadores detectaram que, na quinta feira (18), um dos integrantes da quadrilha (Wender Daniel Cubilha Braz) foi até a agência do banco Itaú da e, fingindo ser cliente, realizou abertura de uma conta corrente.

Conforme o delegado Titular do Garras,. Edilson dos Santos Silva, o ato foi apenas um disfarce, pois sua verdadeira intenção era filmar o interior da agência e identificar os locais onde estavam instalados as câmeras de vigilâncias e sensores de presença. “Analisando os aparelhos de telefones celulares apreendidos em poder deles foi possível encontrar as imagens feitas por Wender no interior da Agência”, explicou.

Em posse dos aparelhos celulares apreendidos em poder do grupo os policiais identificaram ainda, imagens da ação de furto ocorrida no interior do Banco Santander, além de outras ações criminosas que ainda serão objeto de apuração durante o trâmite do Inquérito Policial.

Na ocasião, várias equipes foram mobilizadas a fim de efetuar a prisão da quadrilha já dentro da agência. Foi identificado que o veículo Fiat Punto placa NJP-2641 estaria sendo utilizado na ação, bem como contaria com no mínimo cinco integrantes. Os integrantes teriam funções pré-definidas, sendo que dois seriam responsáveis pela contenção do lado de fora, além de repassar as informações sobre qualquer movimentação policial e os outros dois teriam a função efetiva do arrombamento.

As equipes efetuaram a abordagem dos autores nos fundos da agência bancária no momento em que realizavam a perfuração da parede, contudo no momento da abordagem eles conseguiram fugir do local pulando o portão da frente, contudo foram detidos do lado de fora, após algumas quadras.

Participações

Leandro Chiapinoto DE Souza era o condutor do veículo. Luiz Henrique Santos Velasque e Jonathan Paelo de Farias estavam efetuando o arrombamento.

Wender Daniel Cubilha Braz fazia a contenção da rua de trás da agência e conseguiu fugir no momento da abordagem, contudo uma equipe continuou pelas imediações realizando diligências, conseguindo prendê-lo horas após a primeira abordagem.

Após a prisão de Wender o mesmo relatou que parte das ferramentas estariam na casa de Luciana Rodrigues Louveira. Ela foi detida em posse das ferramentas utilizadas para arrombamento, em especial, as ferramentas utilizadas na ação contra o banco Santander.

O veículo foi identificado como sendo objeto de roubo/furto, e que sua verdadeira placa seria NIY-2322.

Em entrevista inicial os presos mencionaram que haveriam outros integrantes, e que seriam responsáveis pelo contato com os integrantes de Mato Grosso e também seriam os financiadores das ações, tratando-se de Melrison da Silva, vulgo Carinha, Fabio DE Jesus Barbosa Junior, vulgo Fabio Junior e Gilbert Costa Nascimento, vulgo Chico.

Fábio Peró informou ainda que todo o lucro referente aos assaltos às agências bancárias seriam divididos, igualmente, entre os participantes e os financiadores e comandavam as ações de dentro dos presídios.

Fonte: Da Redação


Deixe seu comentário