A prisão de Giovani Ribas da Silva, 24, e Joni Espíndola Batista, 18, por investigadores do Setor de Investigações Gerais, SIG, e da Delegacia de Atendimento a Mulher, DAM, em Ponta  Porã, coordenados pelo Delegado Edmilson Holler, pode ter evitado mais uma situação de morte na fronteira entre a quarta e quinta feira desta semana.

Tudo aconteceu quando os policiais receberam informações de que dois indivíduos estavam efetuando disparos em via pública. Após diligências nas proximidades da Rodoviária e hotéis do seu entorno, os dois indivíduos foram encontrados, portando duas armas de calibre 38, municiadas, da marca “Taurus” e duas porções de drogas.

Em depoimento Giovani e Joní revelaram que adquiriram as armas em Pero Juan Caballero com o objetivo de usá-las em uma visita a um cidadão da fronteira, para cobrança de dívida. Os disparos em via pública teriam sido feitos para testar as armas. Agora, investigações serão realizadas não apenas para checar a informação como também identificar se a dupla tem ligação com o crime organizado.

Fonte: Da Redação


Deixe seu comentário