Pesquisa divulgada recentemente pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) revelou que das 79 cidades de Mato Grosso do Sul, 18 foram classificadas com alto nível de problemas relacionados ao consumo de crack. O Estado é o sétimo com pior índice no ranking.

Aquidauana apresentou nível médio de problemas com a droga, já Anastácio foi sinalizada como sem resposta.
 
As cidades do Estado que apresentaram o maior índice de problemas com a droga, além da Capital, foram Água Clara, Costa Rica, Chapadão do Sul, Cassilândia, Aparecida do Taboado, Brasilândia, Bataguassu, Nova Alvorada do Sul, Glória de Dourados, Itaquirai, Naviraí, Caarapó, Coronel Sapucaia, Ponta Porã, Guia Lopes da Laguna, Bela Vista e Ladário.
 
Já os municípios de Juti e Jaraguari não apresentaram, segundo a pesquisa, nenhum problema com o entorpecente na região. Além disso, as cidades de Tacuru, Paranhos, Taquarussu, Maracaju, Sidrolândia, Dois Irmãos do Buriti, Terenos, Corguinho, Bandeirantes, Alcinópolis e Corumbá foram as que tiveram um menor índice de problemas.
 
Em todo o país, das 5.568 cidades pesquisadas, 1.153 apresentaram alto índice de problemas com o crack, contra 253 cidades que foram classificadas como não tendo nenhum problema. Mato Grosso do Sul, segundo o estudo, ocupa a sétima posição no ranking nacional sobre a incidência do uso do crack.
 
Apreensão - No começo de setembro deste ano, a PRF (Polícia Rodoviária Federal ) apreendeu no km 21 da BR-262 em Três Lagoas - município distante 338 km de Campo Grande - 50 kg de crack. Essa foi a maior apreensão ocorrida durante o ano, segundo a PRF.
 
A droga estavam escondida no painel dianteiro de um veículo Hyundai Azera 3.3, com placas de Campo Grande. O motorista disse aos policiais que estava indo entregar CDs em uma rádio em Três Lagoas.
 
Estudo - O estudo técnico, iniciado em 2012, permite ao cidadão acompanhar as ações realizadas pelos governos para o enfrentamento ao crack. Ele disponibiliza também informações de serviços das redes de saúde e assistência social voltados para o atendimento do usuário de drogas.
 
Em 2010, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), o número de usuários no Brasil era de 1,2 milhão. No mesmo ano, Mato Grosso do Sul teve apenas 29 municípios que executaram ações contra o crack e outras drogas, das 58 cidades pesquisadas.

Fonte: Fernanda Yafusso - Campo Grande News


Deixe seu comentário