Cerca de 40 escorpiões surgiram na casa de uma funcionária da Solurb, moradora na Cidade de Deus, em Campo Grande. Os aracnídeos, ainda filhotes, morreram após entrar em contato com água sanitária.
 
Conforme o relato de Katiele dos Santos Pereira, de 26 anos, ela jogava o restante da água da máquina de lavar embaixo da cama do filho, de 10 anos, quando teve a surpresa, nem um pouco agradável.
 
"Foi um susto. Recentemente o pé do meu filho inchou e no médico informaram que seria bicho geográfico, mas vai saber se ele não foi picado?", indaga a moradora.
 
Orientação 
 
Caso um escorpião seja encontrado, o fato deve ser informado ao CCZ pelo telefone (67) 3313-5000. O animal poderá ser coletado, conforme a solicitação e encaminhado para identificação do gênero e espécie. Para mais informações o Civitox também pode ser acionado por meio dos contatos (67) 3386-8655 ou 0800 722 6001. 
 
Casos
 
No dia 9 de outubro de 2016, Jhenifer Kamily Garutti, de 10 anos, morreu depois de ser picada por um escorpião, na cidade de Brasilândia distante 399 quilômetros de Campo Grande.
 
Cansado dos escorpiões, um morador da Rua Joaquim Avelino Rezende, na Vila Rosa Pires, região nobre de Campo Grande anunciou no dia 18 de novembro, a mudança da própria casa. "Perdi a guerra e vou mudar de casa". 
 
Porém após limpeza, no dia 1º de dezembro, a espécie desapareceu, conforme divulgado pelo Jornal Midiamax.
 
Já no dia 5 de janeiro, um menina, de quatro anos, foi hospitalizada depois de ser picada por um escorpião em Corumbá, distante 444 quilômetros de Campo Grande. A criança foi picada no pé ao sair da casa e ir para o quintal a procura da mãe.
 
A invasão de aracnídeos se repetiu, no dia 12 de janeiro, em casas próximas a um terreno baldio localizado na Rua Nelsom Figueiredo Júnior, na Chácara Vendas, em Campo Grande.

Fonte: Midiamax


Deixe seu comentário