O diretor do Estabelecimento Penal de Aquidauana (EPA), Marco Aurélio Silva Salles, afirma que a unidade não esteve envolvida no escândalo que culminou em operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco)  na semana passada, mesmo a cidade tendo sido alvo de cumprimento de mandados de prisão e busca e apreensão.

A operação, como  já noticiado, visava desarticular quadrilha de servidores da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) envolvidos com esquemas de corrupção. Por meio de nota, Marco Aurélio garantiu que o EPA não esteve "inserido nessas ações".

"Vale ressaltar que o Estabelecimento de Aquidauana, pauta pela regularidade, age nas normas e atua pela lei, trabalha em parceria com o Poder Judiciário, contando com a visita constante do Juiz da Execução Penal, representante do Ministério Público Estadual e Defensoria", disse.

O diretor da unidade ainda enalteceu a atuação no Gaeco. "Ações como as operações deflagradas pelo Gaeco são relevantes no processo de apuração e esclarecimento de atos de corrupção ou outros crimes. A Agepencomo um todo tem dado total atenção a essas ações e da mesma forma esta Unidade está à disposição para quaisquer esclarecimentos".


Fonte: EPA


Deixe seu comentário