Quando escreveu o poema “Dona Noel num passeio de trenó”, em 1889, a poetisa Katharine Lee Bates não imaginava que inspiraria uma estratégia de marketing que ganha força a cada ano, fortalecendo o consumismo no período do Natal e criando um fetiche entre os homens. A “Mamãe Noel” é figura obrigatória nas festas do final de ano, com diversas variantes.
 
De uma bondosa senhora, com traços maternais, a beldades de roupas curtas e insinuantes, nos dois casos com vestimentas vermelhas e brancas, esta figura teria inspirado a poetisa, a partir da leitura de uma revista anônima, escrita na Universidade de Yale. Talvez Khaterine tenha pensado na figura clássica de uma mãe. Mas, jamais, que sua personagem teria uma guinada erotizante, se transformando num fetiche, a partir de Marilyn Monroe, que começou a dar uma ideia diferente de “presente”.

A partir dos anos 50 do século passado, se tornaria comum a Mamãe Noel ser representada por garotas bonitas, povoando, no mês de dezembro, os calendários de bolsos ou folhinhas e especialmente as páginas centrais das revistas Playboy e Hustler. Mais recentemente, várias modelos e artistas famosas são encontradas travestidas de Mamãe Noel, em publicidades de ponta, mundo afora. A Mulher Melancia, que se assume objeto sexual por conta de sua imagem comestível, faz parte deste rol.

“Se a figura do Papai Noel já descaracteriza o Natal, esta da Mamãe Noel, muito mais, ainda mais nesta versão  sensual”, diz a professora aposentada Nedina Gomes, de passagem por Campo Grande, ao ser consultada sobre a pesquisa: “o que você acha do personagem Mamãe Noel?”, encomendada por um grupo de estudos.  O analista de sistemas Alberto M., 32, diz que não se importa. “Faz bem aos olhos!”. Evangélico, o professor Cilas Freitas, 52, residente em Rio Negro, contesta: “Pra mim é uma aberração!”. Consultada, Aline Casquet, do blog Diário Fashion, parceiro de O Pantaneiro, entende que “o problema não está na Mamãe Noel, cuja história original é linda, mas na forma como sua figura é usada”.

Fonte: news.ms.midia


Deixe seu comentário