Com a participação de 29 oficiais das políciais ambientais de 18 estados e representantes da Marinha, Exército e Polícia Federal, está sendo realizada no Pantanal de Corumbá mais uma edição do curso Estratégias da Conservação e Preservação da Natureza – iniciativa da Polícia Ambiental de Mato Grosso do Sul da década de 1990 que ganhou abrangência em nível nacional pelos resultados alcançados na integração das corporações e avanços nas ações operacionais e de educação ambiental.
 
Iniciado no dia 4, o curso segue até domingo (13) com aulas práticas, a bordo do barco-hotel Calipso, e visitas técnicas ao Parque Nacional do Pantanal e reservas ecológicas situadas na região da Serra do Amolar, ao norte de Corumbá. A embarcação navegará por mais de 500 quilômetros, pelo Rio Paraguai, chegando à divisa com o estado de Mato Grosso, demarcada pelas águas – região da planície com maior índice de conservação, segundo o Ministério de Meio Ambiente.
 
Promovido pela Polícia Militar de Mato Grosso do Sul e realizado pelo Instituto Homem Pantaneiro (IHP), este ano, o Estratégias totaliza 200 horas/aula nas etapas a distância e à campo e foi assumido como atividade de extensão universitária pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul / Campus do Pantanal, que assumiu sua coordenação técnica-pedagógica. Apoiam a 13ª edição do curso Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar, Governo de Mato Grosso do Sul, Instituto Chico Mendes (ICMBio), Fundação O Boticário e empresa Vale.
 
Qualificação
 
O Estratégias está em sua 13ª edição e é reconhecido nacionalmente por sua metodologia diferenciada, com dez dias de imersão no Pantanal sul-mato-grossense, e os professores altamente qualificados oriundos de universidades e organizações não governamentais de prestígio. Além disso, estimula a interação entre as unidades de policiamento ambiental e dessas com outros órgãos que atuam na área, com discussão de demandas comuns e busca de soluções tanto operacionais como de legislação.
 
“Discutir o papel das PMs ambientais em um cenário de agravamento das ameaças sobre o meio ambiente é outra tônica do curso”, explicou o presidente do IHP, coronel da reserva Ângelo Rabelo, ex-comandante da PMA/MS. “Ainda que as mudanças institucionais venham acontecendo ao longo dos anos, por exemplo, os investimentos em educação ambiental, os policiais militares ambientais têm sido desafiados a qualificar-se, a participar dos debates de formulação das políticas da área e a atuar como indutores da conservação”, acrescentou.
 
Referência
 
Questões, segundo Rabelo, “especialmente importantes quando se considera a abrangência das PMs ambientais no Brasil, inclusive em pontos críticos para a conservação, com cerca de 10 mil militares em 178 unidades, constituindo-se numa das frentes mais significativas e estratégicas de defesa do meio ambiente”.
 
Mais de 600 oficiais-alunos já frequentaram o curso, considerado uma referência na qualificação do policiamento ambiental no País pelo seu método diferenciado. Ao longo dessa fase de campo – em julho ocorreu a etapa à distância – acontecem aulas e debates sobre legislação e política ambiental, ferramentas para conservação e estratégias de conservação, dentre outros temas, assim como atividades práticas como realização de trilhas e uso dos instrumentos de geotecnologia.
 
Os policiais ambientais tiveram a oportunidade de conhecer ambientais totalmente preservados no Pantanal e estratégias de fiscalização e monitoramento das áreas, como o Parque Nacional do Pantanal, mantido pelo Ibama, cuja sede fica localizada às margens do Rio Cuiabá, limite entre os municípios de Corumbá e Poconé (MT), e as reservas Dourado e Acurizal, cuja gestão é do IHP. O barco-hotel, que nesta sexta-feira chega à Acurizal, retorna ao porto-geral de Corumbá amanhã (12), com encerramento do curso às 12h com a avaliação final feita pelos alunos.

Fonte: Governo do MS


Deixe seu comentário