Lideranças do setor produtivo e autoridades do Governo do Estado participam, nesta terça-feira (1), do lançamento da campanha de vacinação contra febre aftosa em Mato Grosso do Sul, promovida pela Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) por meio da Secretaria de Produção e Agricultura Familiar (Sepaf). O evento acontece a partir das 8h30 na sede da Embrapa Gado de Corte.
 
Nesta etapa da campanha, bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade do Planalto e Zona de Fronteira devem receber a imunização. Para a região pantaneira, optante novembro, deverá ser imunizado todo o rebanho.  Na região do Pantanal a vacinação é obrigatória nos animais cujos proprietários fizeram opção por vacinar em novembro. É proibida a vacinação de suídeos, ovinos e caprinos contra febre aftosa.
 
Em todos os casos, o registro da vacinação deve ser realizado diretamente pelo produtor, pelo sistema Saniagro ou, em casos específicos e a critério da IAGRO, nos escritórios locais.
 
MS livre da aftosa
Há oito anos com o status de zona livre de febre aftosa com vacinação, sem nenhum incidente registrado, desde então, Mato Grosso do Sul tem se mantido entre os três estados com melhor percentual de cobertura vacinal do País, e é destaque em todo País pela excelência do serviço oficial de defesa agropecuária.
 
Desde a incidência da doença, há 10 anos no estado, os bons resultados obtidos nas campanhas contra a febre aftosa, vêm se repetindo. Aliada ao cumprimento de compromissos como a identificação individual de todo rebanho da fronteira e ações permanentes de vigilância, a excelência vacinal contribuiu significativamente para a liberação das exportações de carne bovina in natura da região de fronteira, para a União Europeia e adesão do Estado ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI-POA), medidas que vão ampliar a competitividade da carne produzida em Mato Grosso do Sul.
 
Todo esse trabalho resultou ainda na equiparação das estratégias de vacinação das regiões de Fronteira e Planalto no Estado ficando obrigatória a vacinação nos bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade, no mês de novembro a partir deste ano.
 
Mato Grosso do Sul conta hoje com fiscalização móvel, postos fixos, ações de vigilância nas propriedades, cadastro georreferenciado de todas as propriedades de fronteira e a agência realiza intensa fiscalização durante o período de aplicação da vacina, visando garantir a eficiência dos trabalhos.

Fonte: Da Redação - Com informações assessoria


Deixe seu comentário