A brasileira Josiane Vanessa Zilio, 32, executada a tiros de pistola e fuzil na quarta-feira (31) em Pedro Juan Caballero, tinha relações com gente perigosa na fronteira seca do Brasil com o Paraguai.
 
Amante de um pistoleiro identificado como Belo, que trabalhava para o narcotraficante Jorge Rafaat Touman, ela foi casada com outro bandido conhecido na fronteira, o paraguaio Walter Rodrigo Arévalo, que cumpre pena por tráfico no presídio de Pedro Juan Caballero. Belo desapareceu da fronteira desde a morte do patrão, no dia 15 de junho deste ano.
 
No mês passado, a imprensa paraguaia noticiou que Arévalo é mais um narcotraficante que paga para ter mordomias na prisão. Com acesso à internet, ele postou fotos fazendo churrasco dentro da cadeia, onde ostentava também a vida de luxo que tem no local.
 
Investigado pela morte – Walter Arévalo está sendo investigado como um dos suspeitos pelo assassinato de Josiane Zilio. Neste domingo (4), agentes antidrogas fizeram uma busca na cela dele e encontraram quatro smartphones.
 
Oficialmente, segundo a polícia paraguaia, Walter e Josiane ainda estavam casados, mas não foi revelado se os dois filhos que estavam com ela no momento da morte eram filhos do narcotraficante.
 
O promotor antidrogas Valdez Céspedes, que comandou as buscas na cela de Walter Arévalo, disse que além dos celulares foi encontrado um porta retrato com uma foto dele com Josiane.

Fonte: Campo Grande News


Deixe seu comentário