A inflação começa a dar um alívio para o bolso dos brasileiros. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) desacelerou de 0,45% em agosto para 0,23% em setembro. Esse é também o menor resultado para o mês desde 2009.
 
Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles mostram ainda que a taxa registrada no mês foi fortemente influenciada pelo preço de produtos que compõe os grupos alimentos, transportes e comunicação.
 
Entre os produtos considerados importantes na mesa das famílias, o IBGE destacou a queda de preço de alguns deles: batata-inglesa (14,49% de recuo), cebola (-12,30%), hortaliças (-6,03%) e leite longa vida (-4,14%).
 
O feijão-carioca, que desde o início do ano registrava movimento de elevação de preço em decorrência de problemas climáticos e quebras de safra, ficou 6,05% mais barato no mês. Apesar desse recuo, ele ainda precisa cair mais para reverter o aumento acumulado no ano.
 
Preços de passagem aérea
 
Outros itens também colaboraram para diminuir a pressão inflacionária em setembro. O IBGE registrou queda de preços de passagem aérea (-2,31%), gasolina (-0,75%), conserto de automóvel (-0,59%), venda de automóvel usado (-0,55%) e cigarro (-1,55).
 
Esse dado de setembro ainda é importante porque veio abaixo do esperado por analistas do mercado financeiro. Enquanto esses economistas apostavam, na mediana, que o IPCA-15 do mês seria de 0,33%, o número observado foi de 0,23%.
 
O que é IPCA-15
 
O Índice de Preços ao Consumidor Amplo –15 (IPCA-15) é uma pesquisa de preços. Todos os meses, o IBGE levanta os valores dos produtos que compõe a cesta de consumo dos brasileiros e diz quanto um preço variou de um mês para o outro. Quando esse valor sobe, há inflação; quando ele cai, esse movimento é chamado de deflação.
 
Esse índice é também chamado de prévia da inflação oficial. Isso porque o Brasil usa como principal indicador do custo de vida o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – no caso dessa pesquisa, não há o “15” compondo o nome.
 
A diferença entre os dois é o período de coleta de dados. Para setembro, por exemplo, o IPCA-15 fez as observações de preços entre 13 de agosto e 14 de setembro. Já a inflação oficial será calculada entre o último dia útil de agosto e o último dia de setembro.

Fonte: Governo Federal


Deixe seu comentário