Terminou na manhã desta segunda-feira (14) a oficina de viola de cocho com o mestre-artesão Sebastião de Souza Brandão, de Ladário (MS). Foram três dias em que os 15 participantes puderam entrar em contato com a sabedoria do mestre e aprender os processos de construção de uma viola de cocho. A oficina foi realizada no Iphan de Corumbá, que fica na rua Domingos Sahib, 157, Beira-Rio.
 
Seu Sebastião foi contemplado com o Prêmio Culturas Populares 2012, do Ministério da Cultura, e repassou na oficina as técnicas para a construção desse instrumento musical rústico, totalmente artesanal, de forma e sonoridade sui generis, produzido com matérias-primas extraídas do Pantanal. Seu modo de fazer é tombado como patrimônio cultural brasileiro.
 
Para fazer uma viola de cocho é necessário primeiro escolher a árvore, que pode ser a chimbuva, siriguela ou saran, esta última só existente nas margens dos rios do Pantanal. Seu Sebastião explica que é necessária a autorização do “meio ambiente” para cortar a arvore, e também para o seu transporte. “A motosserra para cortar o tronco também precisa ser legalizada”. Depois é cortada uma prancha no tronco e feito o desenho. É feita a cava com marretinha de madeira dentro desse desenho; depois de cavada coloca a tampa com o mesmo formato. A tampa é colada e amarrada com borracha de câmara de pneu de carro para a fixação. Colada a tampa, em cima vão os cavaletes e as cinco cordas.
 
Seu Sebastião diz que o nome “viola de cocho” provavelmente veio do cocho, que é uma vasilha indígena para servir ração para os animais. “Os índios batiam naquela vasilha e viram que dava um som bonito. A viola de cocho não é só de Cuiabá, ela é típica do Pantanal”, diz.
 
 
O mestre-artesão já perdeu a conta de quantas violas fez. “Eu tinha um caderno em que eu anotava as violas que eu fazia, mas quando eu cheguei no número 1.004, há quatro anos, eu perdi o caderno em Vitória do Espírito Santo. Acho que depois disso já fiz o dobro”.
 
Para ele, é grande a importância de se realizar uma oficina de viola de cocho no Festival América do Sul. Estou expandindo meu trabalho. Eu precisaria de mais festivais para isso, pois a procura é muito grande. Estamos divulgando nossa cultura e nosso Estado”.
 
Para a oficina, não foi feito todo o processo de elaboração da viola, mas já foram trazidas as violas já cavadas, para os participantes fazerem o acabamento. Uma das alunas, Janaína Piccelli, que trabalha na Gerência de Patrimônio Histórico e Cultural da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, aguardou ansiosamente pela vaga para fazer o curso. “Eu estava só auxiliando a oficina, daí um aluno não veio e eu peguei autorização e fiz minha inscrição. Sempre quis fazer viola de cocho, a gente sempre pesquisa na Gerência. É uma experiência muito legal ter um produto que é um bem nosso, é gratificante”.
 
A técnica de enfermagem aposentada Denilce Fátima de Oliveira, de Corumbá disse que depois que se aposentou, há quatro anos, aproveita para fazer cursos e oficinas de arte. “Minha amiga me ligou informando sobre o curso e daí fiz minha inscrição. Sempre tive vontade de construir uma viola de cocho e aqui chegou a oportunidade. Fiquei emocionada, foi uma boa experiência. Vou dar a viola para a minha filha e vou continuar fazendo outras para não perder o que aprendi, vou pegar um caderno e escrever para não esquecer”.
 
Sua colega de curso Fabiana Geuanace, estudante do ensino médio, de Corumbá, ficou sabendo da oficina por uma reportagem na TV. “Amo viola. O violão, a guitarra é do mundo inteiro. A viola de cocho é de Mato Grosso do Sul, é nossa. Gostei muito do curso, aprendi coisas que eu não sabia. Dá muito trabalho fazer a viola de cocho, mas é gratificante. É única, pois é artesanal, a gente que fez. Vou guardar a minha pro resto da vida”.
 
 

Fonte: Governo do MS


Deixe seu comentário