A proposta da reforma da Previdência está em fase de conclusão, e o texto inclui as observações feitas pelo presidente Michel Temer em dois encontros ocorridos ontem (8). Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, após esta última revisão, Temer deve dar início às conversas com centrais sindicais e lideranças partidárias na Câmara e no Senado.
 
"Virá antes do recesso [do final do ano], mas votação [da reforma na Câmara] é certo que não teremos. O máximo que poderíamos sonhar era ter na CCJ [Comissão de Constituição e Justiça] a votação da admissibilidade [da proposta]", disse Padilha, durante lançamento do livro dos 50 anos do PMDB,  realizado na Câmara. O avanço do texto na CCJ também depende do calendário de negociações que será definido por Temer.
 
Padilha afirmou que o governo também está confiante na agenda acertada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, que prevê a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC) 55, que define o teto de gastos públicos para os próximos 20 anos, antes do encerramento das atividades legislativas este ano.
 
Eleição de Trump
 
Perguntado sobre as eleições de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, Padilha disse que não espera mudanças brucas, “como não aconteceria se Hillary Clinton tivesse sido eleita”. Para ele, não houve “grande surpresa” e a escolha do republicano reflete um “retrato de um novo tempo do processo político”, manifestado também quando a Inglaterra decidiu deixar o bloco da União Europeia. “Teremos que aprender a conviver com novos tempos”, afirmou, frisando que esta é uma opinião pessoal e não de governo.
 
Padilha ainda afirmou que a sociedade norte-americana tem uma democracia “bastante” madura e tem se mostrado mais forte do que as pretensões de presidentes que assumem a administração dos Estados Unidos.
 
Perguntado sobre as relações dos Estados Unidos com o Brasil, o ministro disse estar “absolutamente” tranquilo. “A aliança do povo brasileiro com o povo americano se sobrepõe à questão circunstancial de governo. A relação entre os povos é excelente e não há mudanças”, afirmou, citando o fluxo turístico entre os dois países. A mesma estabilidade, Segundo ele, ocorrerá em relação ao fluxo commercial. Para Padilha, a tradicional parceria entre os dois países não deve sofrer mudanças bruscas.
 
Rodrigo Maia
 
Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o resultado não era esperado, mas que o importante é que a população decidiu democraticamente. “Acho que o discurso logo após as eleições foi um discurso que anima a todos, de harmonia e conciliação. Acho que com este caminho de destensionamento, a gente vai conseguir avançar nas relações entre Brasil e Estados Unidos, que é um parceiro commercial muito importante para o Brasil”, avaliou.

Fonte: Agência Brasil


Deixe seu comentário