Campo tomado de entulhos.
A comunidade indígena da "Aldeinha", em Anastácio, vê cada vez mais longe o sonho de ter, em definitivo, o campinho de futebol como parte da comunidade. O local fica em um terreno particular e, apesar de ser usado como ponto de lazer pelos moradores desde os anos 80, jamais teve utilidade para o dono. Nos últimos dias, o proprietário mandou caminhão encher o campo de entulho.
 
Os detritos foram buscados em um posto de combustíveis abandonado em Aquidauana, e deixados propositalmente para que ninguém possa usar o campo. A situação causa indignação, principalmente porque o responsável se recusa a negociar. Segundo Tiago Alves Correa, secretário de desenvolvimento de Anastácio, todas as propostas da prefeitura foram rejeitadas.
 
Ele explica que a administração municipal se propôs a fazer uma permuta, cedendo terrenos em outras áreas em troca do campo, inclusive, com projeto de lei encaminhado à Câmara Municipal, mas não houve acordo. “Vamos tentar novo acordo e propor mais uma vez a troca. Se não conseguirmos, vamos acionar a justiça e buscar pela desapropriação [já que os indígenas têm feito bom uso e cuidado da manutenção do terreno]”, disse.
 
O cacique da Aldeinha, Enéias Campos, diz que o local é o único espaço de lazer e cultura da comunidade. “Estamos indignados, porque esse é o único local onde os jovens podem praticar esporte, uma vez que a comunidade sempre cuidou do campo. Ao menos se o dono permutasse, seria bom, mas não ele aceita e ainda joga entulho  só para nós não usarmos”, disse.
 

Fonte: Da Redação


Deixe seu comentário